Saúde do trabalhador.

*retirado de:
Quando falamos em saúde do trabalhador temos que levar em conta a evolução histórica das relações de trabalho. Essas relações moudaram a primeira iniciativa relacionada a medicina do trabalho, que ocorre na primeira metade do século XIX. Com as mudanças cientificas e uma visão diferente das causas das morbidades e mortalidade, logo após a segunda guerra mundial, promoveram uma certa mudança na relação saúde-trabalhador-produção trazendo foco para um novo ramo da saúde do trabalhador, a saúde ocupacional. Novamente, na década de 60, as mudanças no senário mundial trouxeram uma mudança significativa para a saúde ocupacional mudando novamente o foco do modelo de ação da saúde do trabalhador e promovendo o modelo de saúde do trabalhador.

A saúde do trabalhador tem íntima relação com a evolução das relações de trabalho, é por volta da revolução industrial que os médicos começam a fazer parte das industrias. Os empresários com o objetivo de melhorar a produção, minimizar os acidentes de trabalho(para que o lucro não fosse afetado), maximizar o lucro de forma que as afecções adquiridas do trabalho fossem ali mesma resolvidas trazem o médico como principal saída para essas questões. Percebeu-se que mesmo minimizando os riscos, por exemplo, com uso de equipamentos de proteção individual (EPI), ainda sim ocorriam doenças, então começou-se a tentar entender o por que. Com a evolução da medicina e um entendimento de muiti-causalidades viu-se que a prevenção não era o único ponto a ser frisado, também deveriam ser lembrado, por exemplo da promoção à saúde. 

A saúde do trabalhador surgiu no pós II guerra mundial, em que as mortes em fabricas causava um apelo social maior do que em épocas passadas, pois a sociedade estava saturada com as mortes ocorridas na guerra e os além disso empresários perdiam uma mão de obra difícil de repor, além da evolução de estudos que faziam surgir novas substancias (que muitas vezes faziam mal a saúde), sendo assim ouve uma necessidade de prevenção maior do que a existente e além disso o médico não estava "dando conta", sendo assim surgiu um método mais multi-disciplinar e não centrado na figura médica e sim de uma equipe.

A medicina do trabalho tem um histórico longo e contínuo que remete ao tempo de revolução industrial, onde as grandes fábricas tinham seus médicos e eles serviam para poder dizer aos empresários onde podia-se diminuir ou sanar os ricos, nessa época não tinha-se uma razão causal como a de hoje, eles compreendiam que a doença tinha somente uma única relação causal e sendo assim era só tira-la que podia-se evitar a doença, desta forma esse médico servia mais para poder melhorar a limpeza e diminuir os riscos de acidentes. Nessa época como os médicos eram contratados, então eles serviam para o dono das fábricas, ou seja, eles não viam o operário como doente, eles viam o operário como algo que estaria dando prejuízo. Essa visão continuou por muito tempo e fez com que algumas pessoas sentissem culpadas por suas enfermidades, como era pregado nesta época.

A saúde ocupacional tem seu começo no pós II guerra mundial, em que ocorreu o surgimento de novas substâncias e as mortes ocorridas nas fábricas traziam consequências tanto para a sociedade quanto para o empresário, pois as mortes ocorridas na segunda guerra deixaram as pessoas mais sensíveis a esses acontecimentos e o empresário também sentia falta de mão de obra, além de ter que pagar multas. A saúde ocupacional diferentemente da medicina do trabalho não é centrada no médico e sim em uma equipe multi-profissional. Essa equipe é responsável por diminuir e atenuar os riscos nas empresas, de forma que o trabalhador tenha o mínimo contato com o riscos a sua saúde.

A saúde do trabalhador é a evolução deste pensamento, que tem o indivíduo inserido na sociedade e com multi-causalidade para sua morbidade, abrindo espaço para o estudo do local de trabalho e sua relação com aquela doença. a não monetarização do risco, a melhoria do espaço de trabalho o estudo sem a perspectiva do estado, isso tudo surgiu graças a um pensamento de liberdade da década de 60, um pensamento de que o trabalhador é livre do trabalho, ao contrario do que era pregado como doutrina na religião e muito aproveitado no capitalismo.






*https://www.google.com.br/imghp?hl=pt-BR&tab=wi&ei=mQBXU7nMHInYsASp0oHwCQ&ved=0CAQQqi4oAg

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Citologia: transporte ativo secundário.

Anatomia: Sistema reprodutor masculino e reprodutor Feminino.

Anatomia: músculos da mão.